terça-feira, 14 de setembro de 2010

Se um dia




Se um dia te escrevesse uma carta,
Descreveria cada momento contigo
Cada lágrima, cada sorriso
Cada momento perdido...

Se um dia te escrevesse uma carta,
Lembrar-te-ia quando me dizias,
Que farias tudo por mim,
Lembrar-te-ia dos momentos no jardim
Os risos de criança perdidos...

Se um dia te escrevesse uma carta,
Sussurrar-te-ia cada beijo, cada emoção
Cada toque... o quão viva estava,
Perder-me-ia em mil e uma palavras...

Se um dia te escrevesse uma carta,
Perguntar-te-ia porquê,
Sem querer ouvir novamente a resposta,
(Como em todos os momentos,
Em que a vida nos parece injusta)

Se um dia te escrevesse uma carta,
Alegaria que nunca sentis-te nada disto
Por muito que os teus olhos me contrariassem,
Por muito que os momentos o corroburassem...

Se um dia te escrevesse uma carta,
Descreveria todos os momentos
Em que desejo que voltes atrás
Que peças desculpas e que me tomes nos braços

Se um dia te escrevesse uma carta,
Questionar-te-ia porque não lutas-te por tudo
Porque me tentas-te proteger de ti
Se no fim, tenho na alma o sofrimento do mundo...

Se um dia te escrevesse uma carta,
Chamar-te-ia covarde, faria birra de criança
Porque não me conformo com a tua ideia
De tentares evitar magoar-me a sério...
Se no fim, pior não poderias ter feito

Se um dia te escrevesse uma carta,
Depois de me compor do desespero
Pedir-te-ia desculpas,
Que talvez soubesses o que fazias,
Que talvez tivesses razão

Se um dia te escrevesse uma carta,
Compartilharia o sentimento,
De perferir ser tua amiga para sempre
Do que um dia odiar-te

Se um dia te escrevesse uma carta,
Desculpar-me-ia no fim,
Por todas as palavras e pela peturbação.
Que talvez te podessem ter causado...

Se um dia te escrevesse uma carta,
Dir-te-ia, finalmente, que te amo,
E que independentemente de um dia
Deixar de o fazer da mesma forma,
Jamais me hei de arrepender do que vivemos
E terás sempre um lugar doce nas lembranças...

Se um dia te escrevesse uma carta,
Provavelmente seria o fim da minha esperança,
Escrever-te-ia uma carta de despidida, não de amor,
Já num momento muito pralá da dor...

Mas ainda não sou capaz de escrever essa carta,
Porque te amo, e espero que o tempo volte atrás.
Mas choro pela certeza de que jamais o fará.
Desespero quando me conformo,
E por vezes, no meio de tanto sofrimento
Sinto-me a descair para a insanidade...

Mas também, não sou capaz de te escrever essa carta,
Porque sei o quão culpado te sentirias,
Temo também, que para que todo o meu sofrimento acabasse,
Tomasses uma decisão precipitada,
E me fizesses a vontade por culpa
Mas por tanto te amar, não posso permitir que isso aconteça,
Porque apenas te quero ver feliz....

E assim essa carta nunca será escrita,
Porque a tua felicidade também é importante,
E tenho que respeitar a tua decisão,
Independetemente do quão apertado esteja o meu coração...

Um comentário:

man_60 disse...

Parabéns Isabel pelo tratamento que dás ao teu espaço, gosto de viajar pela net e encontrar espaços como estes em que se utiliza as palavras de uma forma tão saudavel.
Vim parar ao seu espaço atraves de um outro espaço que me fez ficar por lá algum tempo a ler belos poemas e, tu parece que tambem es fá do mesmo "Sara Oriana"
Parabens as a sduas pelos magnificos espaços que vão alimentando com palavras, cada uma a sua maneira.